Corpo Sagrado e Profano

Um rosto nu, sorri
Da sensação da carne
Impulso aviltante
do ser integral...
Pecado sensível
da alma irascível
do corpo outrora sagrado
que expressa desejos ocultos
na linguagem da busca
do vulto na noite que cala.

Percorrido em chamas
Esconde a nudez da verdade.
Despindo a hipocrisia velada
dessacraliza a virtude da alma
aos olhos da lei inquisidora
torna-se profano e fala.

Revela o impulso do íntimo
Sem culpa, sem medo, sem dores.
Após a lida sofrida
descobre o sentido vernal,
sem a decadência moral.

É meu corpo e não escolhe...
ser sagrado e ser profano.
Alguém me contemplou
Ser afetada pela alegria da oferta
De sabores, encantos e fragrâncias
que os insanos prazeres libertam
pela força interna,
a saúde perfeita equilibra
A mente extasiada de amor!

Yara Nazaré




Indique esta página






Edição: 07.06.04







® Mary M. Fioratti - Direitos Reservados © - 2004