Inspiração

Neste papel branco e frio
Que pousa minha mão
Corre a caneta
Sem obedecer as linhas
Assim como um bêbado
Sem controle
Que atravessa a rua
Sem saber para onde ir

Sentimentos
que nem eu mesma
Me dou conta
É como se fosse um grito
E para que eu os entendessem
Tivesse que colocá-los assim
Por escrito

E quando leio o que escrevo
Vejo labaredas ardentes
Em todas as palavras
Que como bêbadas...
Não obedecem linhas
Nem rimas certas
Nem contam versos...

É como se eu estivesse
Tomada por uma força
Uma poderosa energia
É um desespero crescente
Que mergulha cega neste amor ardente
Querendo arrancar de sua alma
Toda a minha poesia


Mary Fioratti


Inspiração de poeta
(Moacir Sader- 03-06-04)

Implosões que se exteriorizam,
Sensações que se revelam...
Silêncio transformando-se em signos,
códigos de comunicação da alma,
rompendo os limites do corpo,
expandindo-se para o papel,
para o teclado
e voando libertos
pela asa condutora da Internet
(pombos-correios contemporâneos, instantâneos),
ligando corações
e emoções dos humanos,
deixando o poeta atônito,
surpreendido com a poesia,
que acaba de nascer
e tal como filho,
já não lhe pertence mais,
é de todos,
é de quem se permitir viver as sensações...
E o poeta, novamente, queda-se em silêncio...
Até que outra inspiração decida se libertar....


moacirsader@moacirsader.com
http://www.moacirsader.com
http://moacirsader.com



Indique esta página







Edição: 31.05.04







® Mary Martins Fioratti - Direitos Reservados © - 2004