CIRANDA SILÊNCIO




Silêncio

Mary Fioratti

Mergulho no silêncio de sua alma
Que responde a todas
As minhas perguntas
Ela me sussura seus segredos
Suas vontades, suas lutas internas
Entre palavras partidas

(estão tão juntas nossas vidas!)

Seu silêncio me acaricia
Soprando palavras às avessas
Que se encaixam em meu coração
Que une-se ao seu
Como peças únicas de um quebra-cabecas

Mergulho em seu silêncio cheio de palavras
Enquanto seus olhos me mostram sua dor
E beijando em silêncio a sua boca muda
Ouço entre beijos e sussuros
Os seus mais lindos versos de amor





SILÊNCIO

Yara Nazaré

Gosto do silêncio...
Que me ajuda a pensar
Gosto do silêncio...
Que me leva a orar
Refletir sobre a vida
Recordar o passado
E de tudo lembrar.

Mesmo ouvindo os sons
Que a Natureza oferece
Consigo silenciar
Olho em minha volta
Conto cada bênção
E a Deus agradeço
Poder sentir o silêncio
E dele tirar proveito
Para sorrir e... amar!





Silêncio

Anna Paes

Silencio total
Nossas bocas unidas
Caladas com beijos
Suspiros baixinhos
E um grande amor.
Silencio
Estou amando.





SILÊNCIO PARA O AMOR

Marcial Salaverry

No amor, não é preciso falar,
apenas o amar...
A voz,
substitui-se por sussurros,
por doces gemidos,
com os lábios em beijos entretidos...
Apenas o roçar dos corpos,
e o suave suspirar,
pode o silêncio quebrar...
Ocupemo-nos só com o amor...




Silêncio

Nancy Cobo


Existem certas situações
Que o silêncio é o melhor remédio
As vezes é melhor fecharmos a boca
Do que falarmos o que não deveríamos falar
Em silêncio muitas coisas podem ser ditas
Sem se proferir uma palavra

Mas tem situações que ele não deve existir
Nada mais cruel do que o silêncio
Principalmente quando vem Acompanhado
De uma pergunta, uma dúvida
Silêncio que machuca, incomoda
E que deixa mágoas no coração

Silêncio, igual a verdade
Não dita com palavras
Mas entendidas pelo silêncio



EM SILÊNCIO...

Sara Rafael


Enquanto a noite dorme
lânguida, fico a cismar
ao brilho doce do luar
neste silêncio enorme
tudo o que diria agora
e que ninguém ouvisse
aquilo que nunca disse
a minha boca de amora
travo de fruta selvagem
suco de palavras vãs
bebidas como irmãs
em DUETO E MIRAGEM



SILENCIEI-ME

Margaret Pelicano

Silenciei-me diante da incompreensão
guardei a sete chaves o meu repúdio...

Silenciei-me ante a escravidão dos valores morais
e continuei trancada em meu mundinho pequeno e falso.

Silenciei-me ao me deparar com a fome
com o frio, com a violência...

Silenciei-me diante da guerra física e psicológica
dos ambulantes e maltrapilhos.

De tanto me silenciar,
fui perdendo partes de mim:

Ouvidos, porque estava surda aos lamentos!
Olhos, pelo esquecimento!
Mente, pelo desnivelamento de idéias...

Só não consegui fechar as mãos!
Ajudei um pouco,Ensinei muito mais, muito mais!

Só não silenciei o meu grito!
as minhas plantas,
as minhas flores,
a cor do arco-íres!

Só não descuidei de algumas muitas almas!
Enfim plantei e reguei sentimentos humanos
e apontei o caminho dos desenganos.
Errou quem assim o quis!

Só não calei a calma
a flama de ser gente
e hoje rendo graças ao Pai
através da poesia.


O Silêncio das Palavras

Marcos Milhazes***

Sabiam???
A vida é feita de palavras.
Quantas vezes fomos interpeladas,
agredidos, por elas em um diálogo.

Quantas vezes deixamos essas palavras caírem
no vácuo onde o som não se propaga.
Posto tal postura, evitamos assim um confronto.

Por vezes a ausência de nossas palavras virá.
Mas, em sua seqüência vira virtude.
É um direito dos discretos no jeito de se portar.
Abster de falar.
Aguardar o momento certo.

Até podemos e nos privamos
do direito de resposta.
Porém, nunca o de ouvir.

Apostamos na taciturnidade.
Nos impomos ao silencioso,
seja qual for a situação.
Fazemos segredo da façanha de opinar.Enfim.
A ciência de silenciar na ocasião certa, é um dom.
A ânsia de falar aos ventos e na hora errada,
é a arte dos medíocres.

No conflito entre a ciência ou a ânsia,
fica uma verdade.

Dependendo de sua escolha,
não deixarás nenhuma dúvida
a um eventual oponente.

De que palavra és construído...




SILÊNCIO

Edna Liany Carreon

O silêncio calou meus lábios,
na hora de dizer-te adeus...
Calei-me, mesmo que eu quisesse,
nada poderia dizer...
Nossos olhares cruzaram-se
e disseram tudo, sempre nos entendemos,
num simples olhar...
Para quê, palavras?
Se fossemos falar, seria pra confirmar,
que sempre vamos nos amar...
Se longe temos que ficar, melhor
mesmo foi nos separar,
seguiremos um caminho que eu nunca quis trilhar...
O caminho da solidão e da saudade,
sem ti meu amor, nunca mais saberei,
o que é felicidade...
Caminharemos sozinhos...
E o silêncio gritará em nossos ouvidos
o amor que levaremos,
em nossos corações sofridos...
O grande amor que ficará, no coração contido...




Silêncio (quase) equilibrado

Edna Feitosa

Quanto bem e quanto mal
O silêncio pode fazer!
Uma palavra indevida
Outra ausente...

Na vida há que se ter
Sempre uma dose de equilíbrio
Os exageros sufocam
As ausências machucam.

Assim pensando
Tenho certeza, "anjo ausente",
Que, se soubesse a dor
Que me causa seu silêncio
Ainda hoje, nesse instante,
Enviaria a mim um recado urgente
Equilibrando assim todas as palavras
Que ainda não foram ditas E que tantas vezes ouvi
Enquanto, num silêncio inevitável e dolorido
Esperei.



Edição: 28.03.04

® Mary M. Fioratti - Direitos Reservados © - 2004