BATE, CORAÇÃO !



Como um tecido de má qualidade,
que costuma encolher, quando molhado,
descobri, hoje, que meu coração
também não é produto de boa qualidade,
pois quando, banhado em lágrimas,
se encolhe, se acovarda,
pulsando esquisito no meu peito,
parecendo querer fugir para um lugar
incerto e não sabido,
onde não haja rancor, ingratidão,
maldade e desamor
e nem desejos de vingança...
Nesses momentos é que tenho de ser dura.
- o que muito me custa - e ordenar-lhe:
"Aquiete-se, meu amigo, você não tem saída,
só mesmo quando parar de pulsar,
e, por enquanto, não recebí nenhum aviso
de que essa hora está para chegar.
Tente olhar ao seu redor,
veja quantos corações estão sofrendo
de amor e de saudade.
Vamos tentar secar essas lágrimas
que teimam em encolher o seu tecido,
e seguir em frente, sem lamento,
batendo...batendo...batendo,
até quando Deus quiser...

Carmencita

Nossos Coraçõses


Corações gêmeos
Tão parecidos
Na dor
No amor
No dar

Envelhecidos
Coloridos
Molhados
Sofridos
Mas ainda inteiros

Corações tão próximos
Tão enlaçados
Sofrem juntos
Mesmo calados

Tecidos duros
Túneis profundos
Que carregam o peso
Da dor do mundo

Corações elásticos
Redes tecidas com dor
Bordadas com flores da alma
Entrelaçadas de amor


Mary Fioratti

Este poema dedico à minha querida Mommy Carmencita.
Ele fala dos “nossos corações” que são tão parecidos.
(Como diz Roberto Carlos “ Somos quase iguais.. temos quase as mesmas digitais”...)













Edição: 14.02.04







® Mary M. Fioratti - Direitos Reservados © - 2004