MÚSICA PROIBIDA


Gosto quando me fitas
com aquele carinho que manténs,
permanentemente,
debruçado no parapeito dos teus olhos.
Gosto de tudo aquilo que me dizes,
sem pronunciar uma única palavra,
naquela linguagem nossa,
unicamente nossa,
de mais ninguém...

Entre nós, as palavras são supérfluas,
porque tua emoção transborda
diretamente do teu olhar.
E é nesse momento que me asseguro
de quanto és meu,
e de como és capaz de descer às profundezas
de minha alma,
e, delicadamente, tocar-lhe as cordas,
emitindo os mágicos sons
daquela música linda e proibida,
que ninguém mais, além de nós,
será capaz de ouvir...


Carmencita














Edição: 29.06.04






® Mary M. Fioratti - Direitos Reservados © - 2004