BECO SEM SAÍDA

Mergulhada no vazio
Tateio em busca
Do meu caminho de volta
Da minha viagem
ao paraíso
Era uma estrada
Somente de ida
Íamos caminhando
De mãos dadas
Sem nos importarmos
De chegar a lugar algum
Conseguíamos visualizar
Um pôr-do-sol distante
Que a cada passo
Tornava-se muito mais
Perto de nossos olhos
E mesmo que nao pudéssemos
alcançá-lo
Nada nos importava
Senão o presente
Hoje.. .volto sozinha
por essa mesma estrada
O pôr-do-sol ficou
Cada vez mais distante
E cada flor que vejo
Lembro de uma palavra sua
Que me foi sussurrada
Numa noite qualquer
Cada borboleta que voa
Tocando-me o rosto
De um modo suave
Lembra-me suas mãos
E sua leve carícia
O eco dos meus passos
Lembram-me sua voz...
Ah! essa sua voz
Que tirou o meu sono
Tantas noites!
Hoje volto
por esse mesmo caminho
Minha alma tão ferida!
Terrível túnel
Beco sem saída!


Mary Fioratti







Edição: 23.01.04



® Mary Martins Fioratti - Direitos Reservados © - 2004