Canteiro da sua alma


Quando eu encontrei você aquele dia
No momento exato em que minha alma
Fitou seu coração
As estrelas misturaram-se no céu
Afetadas por aquela doce vibração

Aquele dia
Tirei meus carretéis com linhas
De todas as cores
E comecei o bordado de sua alma
Desmanchando cada florzinha
Que estava rasgada
Rebordando cada uma
Com minha alma tão apaixonada!

Você me olhava
Descobrindo extasiado
A sua vida naquele novo bordado
Pedindo-me para trocar as cores
E encher de amores
Cada cantinho da sua solidão

No entanto... cheguei tarde
E o medo daquela intensidade
fortemente nos dominou!

Lembro-me bem daquele dia
Quando nos despimos de toda fantasia
E olhando em seus olhos eu chorei
Você ali parado naquela despedida
Ficou mergulhado tão tonto em sua vida
Naquele canteiro com as flores que eu plantei

Mary Fioratti









Edição: 23.03.04

® Mary Martins Fioratti - Direitos Reservados © - 2004.