JANELA DA MINH'ALMA


Janela da minha alma
Tanto tempo
Emoldurada de ilusão
Debruço hoje
Em seu parapeito imaginário
Observando a minha vida
Que passa
Sentindo uma mudanca
Intensa e bela
Um vento doce
Que balanca a cortina
Do meu "eu"
Janela da minha alma
Hoje eu nao quero paisagens tristes
Hoje eu nao quero essa chuva
Que nao passa.
Hoje eu nao quero aquela dor
Que nao vai embora
Quero muito hoje
Ser a artista imaginária
do meu destino
Pegar meus pincéis de ternura
Minhas tintas de amor
E pintar uma paisagem
Sem nenhuma amargura
Janela da minh'alma
Que esta paisagem
Possa ser cheia de flores
Cheia de cores
E que possa ser
Eterna


Mary Fioratti







Edição: 05.03.04

® Mary Martins Fioratti - Direitos Reservados © - 2004.