MAPA DE VOLTA


Para que formatar uma poesia
E querer torná-la bela
Quando os sentimentos
Em branco e preto
Tingem a tela de luto?
Hoje quero minha poesia
Nua e crua
Dançando suas letras
nesta tela fria...
Estranho dizer-te
Que neste momento de angústia
Quando as lágrimas descem
incontroláveis pelo meu rosto
Que o simples e puro fato
De estarmos tão distantes
Faz com que eu te ame muito mais...
Mas muito mais do que antes.
Meu corpo está frio
Nao sinto minha alma
Meus olhos estão vazios
Quero escrever o que sinto
E a tristeza é tão grande
Que os versos se perdem
Nos meus olhos frios
Tudo que eu queria agora
era tomar-te entre meus braços
para me aquecer nesta noite fria
Dirigir teus braços
Em volta do meu corpo
E cheia de êxtase
como uma borboleta colorida
pousar meus olhos em tua fantasia
E te pedir boca a boca... entre sussurros roucos
O mapa de volta... da minha poesia


Mary Fioratti





 

Edição: 05.04.04




® Mary Martins Fioratti - Direitos Reservados © - 2004