Deitei-me hoje no berço quieto
Da minha solidão
Precisava de um pouco
Daquele silêncio calmo
De ouvir esta música que emana
de dentro de mim
Não queria macular meus sentimentos
Com lembranças passadas
Queria achar no fundo de meu coração
O sentimento puro…vindo da alma
Que não fosse sugestionado
Pela paixão…

(pura ilusão!)

Deitei no travesseiro sem formas
Da sua ausência
Ouvindo esta minha canção
Querendo entender seu significado
Que terrível dormência
Na lentidão dos meus passos
Na sombra imaginária dos seus ombros
Do cheiro de amor dos seus abraços
Em meus ouvidos ecoaram
Acordes ardentes de paixão
Músicas suaves do meu coração
Gemidos graves nas notas da ilusão

Era como um violino
Chorando na mão do violinista
Tocando na alma seu acorde de tristeza
Compondo canções de notas puras
Da sua própria vida de amargura

Hoje ouvi os acordes mais íntimos
Escondidos na minha própria essência

Fechei meus olhos … era a sua música
Que eu já descrente de todas as suas notas
Tranquei-a na gaveta secreta

da sua ausência

Mary Fioratti



Edição: 12.02.04

® Mary Martins Fioratti - Dreitos Reservados © - 2004