Percebi seus olhos
Que me fitavam
Como se me pertencessem
Na penumbra
Havia uma magia de sonho
Esquecida no ar
As pessoas cruzavam a sala
O vinho subia na cabeça
Fazendo-me tão tola…
Talvez você não fosse
O que aquela noite eu vi
Talvez seus olhos
Estivessem apenas solitários
Como os meus
A música embebedou o ar
E lânguidos os casais se moviam
No meio do salão
Nossos olhos ainda presos
Um ao outro
Tentavam decifrar o enigma
Dessa atração
Não nos aproximávamos
Porque a necessidade do real
Não existia
Era apenas uma força
Que amarrou nossas íris
Na fantasia






Edição: 07.06.04

® Mary Martins Fioratti - Direitos Reservados © - 2004