MEDO

Foi um medo...um medo insano
de que partíssemos
Cada um esperava uma palavra
Um olhar diferente, um gesto repentino
que mudasse aquele instante
O tempo parecia ter congelado
Tornando-se estático e lento
enquanto esperávamos o amanhecer....
Meus olhos perdidos na janela
Procuravam pedaços de sonhos
nas esquinas vazias
Nas minhas loucas e proibidas fantasias
Acariciei seu rosto como um último gesto
Enquanto suas mãos se enrolavam nos meus cabelos
Nossos olhos perdiam-se em nossas íris
As palavras morriam na montanha-russa
da nossa muda emoção
Por muito tempo nos acariciamos como cegos
Apenas sentindo pelo tato....nada vendo
Apenas aprendendo a linguagem
das nossas sensações
Foi um medo...um medo gigante
Que naquele instante
Invadiu nossos corações

Mary Fioratti


Edição: 07.07.04

® Mary Martins Fioratti - Direitos Reservados © - 2004