De volta à vida

Pinta-se o outono de cores
na paisagem poética e tão viva
Olho pela janela e vejo lentamente
Tantos sonhos andando pelas ruas
Entre as folhas secas e caídas
Que formam um tapete de veludo amarelo
Nas calçadas compridas e frias
São os meus olhos que vêem
Sonhos lindos e coloridos
Pintando cores novas
na paisagem morta do meu dia
Expectativa de um futuro novo e inesperado
Que coloca um fim nos dias sofridos
De um longo passado
Sinto-me tranquila …. Quase suave
De uma forma inteira e absoluta
como sempre fui
Não mais como uma criança
tropeçando nos passos
Mas certa e absoluta nos pensamentos
Ha dentro de minha alma
um aroma de verdade
Como um perfume diferente
Aqueles que se compra
Abre-se o vidro, inala-se e se extasia
No meu coracao aquela música
Da minha velha essencia
Toca outra vez....
Ela traz ao meu outono
Um aroma de alegria
É como se de repente
eu abrisse as portas
E espantasse as fantasias
Meu corpo dá passos certos
sem insegurança
E o sol entra devagarinho
Aquecendo todas células do meu ser
Saudade do meu mundo antigo
Ah, como senti falta de mim!
Visto o meu mais belo vestido
E caso com a vida
Dizendo o meu “Sim”!

 

 

 


Mary Martins Fioratti - Direitos Reservados - 2004.